segredos secretados
| 01.02.04 |
| 08.02.04 |
| 15.02.04 |
| 22.02.04 |
| 29.02.04 |
| 07.03.04 |
| 14.03.04 |
| 28.03.04 |
| 11.04.04 |
| 18.04.04 |
| 25.04.04 |
| 02.05.04 |
| 09.05.04 |
| 16.05.04 |
| 23.05.04 |
| 30.05.04 |
| 06.06.04 |
| 13.06.04 |
| 27.06.04 |
| 04.07.04 |
| 25.07.04 |
| 12.09.04 |
| 19.09.04 |
| 03.10.04 |
| 07.11.04 |
| 05.12.04 |
| 09.01.05 |
| 27.02.05 |
| 13.03.05 |
| 10.04.05 |
| 17.04.05 |
| 01.05.05 |
| 29.05.05 |
| 03.07.05 |
| 14.08.05 |
| 28.08.05 |
| 18.09.05 |
| 02.10.05 |
| 09.10.05 |
| 16.10.05 |
| 23.10.05 |
| 30.10.05 |
| 06.11.05 |
| 13.11.05 |
| 20.11.05 |
| 27.11.05 |
| 04.12.05 |
| 18.12.05 |
| 25.12.05 |
| 01.01.06 |
| 08.01.06 |
| 15.01.06 |
| 29.01.06 |
| 05.02.06 |
| 12.02.06 |
| 19.02.06 |
| 26.02.06 |
| 05.03.06 |
| 12.03.06 |
| 19.03.06 |
| 26.03.06 |
| 02.04.06 |
| 09.04.06 |
| 16.04.06 |
| 23.04.06 |
| 30.04.06 |
| 07.05.06 |
| 14.05.06 |
| 21.05.06 |
| 28.05.06 |
| 04.06.06 |
| 11.06.06 |
| 18.06.06 |
| 25.06.06 |
| 02.07.06 |
| 09.07.06 |
| 16.07.06 |
| 23.07.06 |
| 30.07.06 |
| 06.08.06 |
| 13.08.06 |
| 20.08.06 |
| 27.08.06 |
| 10.09.06 |
| 17.09.06 |
| 24.09.06 |
| 01.10.06 |
| 08.10.06 |
| 15.10.06 |
| 22.10.06 |
| 29.10.06 |
| 05.11.06 |
| 12.11.06 |
| 19.11.06 |
| 26.11.06 |
| 03.12.06 |
| 10.12.06 |
| 24.12.06 |
| 31.12.06 |
| 07.01.07 |
| 14.01.07 |
| 28.01.07 |
| 04.02.07 |
| 11.02.07 |
| 25.02.07 |
| 04.03.07 |
| 11.03.07 |
| 25.03.07 |
| 01.04.07 |
| 08.04.07 |
| 15.04.07 |
| 22.04.07 |
| 29.04.07 |
| 06.05.07 |
| 13.05.07 |
| 20.05.07 |
| 27.05.07 |
| 03.06.07 |
| 10.06.07 |
| 17.06.07 |
| 24.06.07 |
| 01.07.07 |
| 08.07.07 |
| 15.07.07 |
| 29.07.07 |
| 14.10.07 |

This page is powered by Blogger. 

Isn't yours?
untitled - escrito em 09/09/2000

Qualquer coisa serve, qualquer trago, qualquer coisa...
O bêbado diz amém enquanto eu peço piedade. Qualquer coisa. E um cigarro jaz em cinzas à minha frente. Eu não fumo.
Te procurei hoje o dia inteiro, à noite eu que me perdi. Qualquer coisa. Uma lágrima, um beijo, um pouco de sexo. Sangro nos olhos, vermelhos, lúcidos... cegos.
O aleijado bate à porta e deixa cair a muleta. Me deu vontade de cuspir nele. Cuspi na mão, a minha.
Coisa qualquer, pouca coisa, pouco caso. Nada não, só coisa, coisa boba, sem nexo. Me deu vontade de matar alguém.
Quem tem veia tem sangue. Eu tenho veias demais.
O padre rezava a ladainha e me fazia chorar. Eu chorava de raiva e mijava na cruz, cagava no Cristo.
Qualquer coisa. Te procurei hoje dentro de mim. Te encontrei lá fora. Por que tens que ser tão bran-ca? Me enlouquece essa tua pele de porcelana. Parece uma santa. Parece Maria. Eu cagava no Cristo e tinha ereções com Maria.
Mundana, me vi logo dentro de ti e lá estava.
Que droga de cachorro que não pára de latir. Não deixa ecoar no silêncio teu grito de gozo.
Como sangra. Nunca vi nada igual. Nunca te vi tão bonita, tão pálida.
Esse corte no peito te cai tão bem. Teu sangue combina com meu gozo.
Perdão.
Qualquer coisa.


Por Rodrigo Brod * 15:04 * 6.2.04

--- --- ---

estréia

muitos começam em lugares fechados:
em seus quartos
no quarto dos pais
em motéis
até mesmo em carros.


comigo foi diferente:
minha primeira vez foi num skate.







Por Thiago F. * 22:46 * 5.2.04

--- --- ---




cúmplices:
{ Site Meter }