segredos secretados
| 01.02.04 |
| 08.02.04 |
| 15.02.04 |
| 22.02.04 |
| 29.02.04 |
| 07.03.04 |
| 14.03.04 |
| 28.03.04 |
| 11.04.04 |
| 18.04.04 |
| 25.04.04 |
| 02.05.04 |
| 09.05.04 |
| 16.05.04 |
| 23.05.04 |
| 30.05.04 |
| 06.06.04 |
| 13.06.04 |
| 27.06.04 |
| 04.07.04 |
| 25.07.04 |
| 12.09.04 |
| 19.09.04 |
| 03.10.04 |
| 07.11.04 |
| 05.12.04 |
| 09.01.05 |
| 27.02.05 |
| 13.03.05 |
| 10.04.05 |
| 17.04.05 |
| 01.05.05 |
| 29.05.05 |
| 03.07.05 |
| 14.08.05 |
| 28.08.05 |
| 18.09.05 |
| 02.10.05 |
| 09.10.05 |
| 16.10.05 |
| 23.10.05 |
| 30.10.05 |
| 06.11.05 |
| 13.11.05 |
| 20.11.05 |
| 27.11.05 |
| 04.12.05 |
| 18.12.05 |
| 25.12.05 |
| 01.01.06 |
| 08.01.06 |
| 15.01.06 |
| 29.01.06 |
| 05.02.06 |
| 12.02.06 |
| 19.02.06 |
| 26.02.06 |
| 05.03.06 |
| 12.03.06 |
| 19.03.06 |
| 26.03.06 |
| 02.04.06 |
| 09.04.06 |
| 16.04.06 |
| 23.04.06 |
| 30.04.06 |
| 07.05.06 |
| 14.05.06 |
| 21.05.06 |
| 28.05.06 |
| 04.06.06 |
| 11.06.06 |
| 18.06.06 |
| 25.06.06 |
| 02.07.06 |
| 09.07.06 |
| 16.07.06 |
| 23.07.06 |
| 30.07.06 |
| 06.08.06 |
| 13.08.06 |
| 20.08.06 |
| 27.08.06 |
| 10.09.06 |
| 17.09.06 |
| 24.09.06 |
| 01.10.06 |
| 08.10.06 |
| 15.10.06 |
| 22.10.06 |
| 29.10.06 |
| 05.11.06 |
| 12.11.06 |
| 19.11.06 |
| 26.11.06 |
| 03.12.06 |
| 10.12.06 |
| 24.12.06 |
| 31.12.06 |
| 07.01.07 |
| 14.01.07 |
| 28.01.07 |
| 04.02.07 |
| 11.02.07 |
| 25.02.07 |
| 04.03.07 |
| 11.03.07 |
| 25.03.07 |
| 01.04.07 |
| 08.04.07 |
| 15.04.07 |
| 22.04.07 |
| 29.04.07 |
| 06.05.07 |
| 13.05.07 |
| 20.05.07 |
| 27.05.07 |
| 03.06.07 |
| 10.06.07 |
| 17.06.07 |
| 24.06.07 |
| 01.07.07 |
| 08.07.07 |
| 15.07.07 |
| 29.07.07 |
| 14.10.07 |

This page is powered by Blogger. 

Isn't yours?



- Olá garoto, qual a sua graça?
- Meu nome é Renato, mas infelizmente eu não tenho graça alguma.
- Que pena. E o que é isso na sua mão?
- Todo o sofrimento do mundo, mas as pessoas costumam chamar de tamagochi.


Por Rodrigo Brod * 17:59 * 14.2.04

--- --- ---

capítulo I

- Augusto.

Seu tom de voz era o mais frio, calmo e sério que eu já escutei em toda a minha vida. Naquele momento, meu corpo tremeu.
Eu morava sozinho e estava dormindo.
Morar sozinho e ouvir uma voz quando se está dormindo, uma voz num tom
tão sério que te faça acordar, num tom tão calmo que te faça pensar que ainda não acordou e num tom tão frio que faça teu corpo tremer, é algo realmente de dar medo.
Imediatamente me cobri.
Pelo seu jeito de falar, compreendi imediatamente que se chamava Lúcia.
Eu dormia sem coberta por causa do calor. Mas, ao me cobrir, tive o cuidado de fazê-lo da cabeça aos pés. Desde criança, se eu acordava com medo, do que quer que fosse, eu me cobria todo: a cabeça para não ver qualquer coisa que pudesse estar no quarto, e os pés para não serem puxados. Pelos seres que passaram a habitar o meu quarto quando eu era criança e que me davam muito medo.
Passaram-se 20 anos e eu ainda tenho medo. Passaram-se 2 minutos e eu adormeci.
Rapidamente, voltei a dormir. Quando acordei, estava embaixo da cama.


Por Thiago F. * 16:51 * 13.2.04

--- --- ---

alopatia

deixa a dor pra depois
e vamos respirar
num ritmo que dê para dançar

deixa a dor pra amanhã
pra hora de acordar


Por Thiago F. * 18:44 * 11.2.04

--- --- ---

32

eu estou em branco.


Por Rodrigo Brod * 21:01 * 10.2.04

--- --- ---

31

meu visu de dentista
médico
pai de santo:

a paz está na moda

(e eu estou de branco).


Por Thiago F. * 23:26 * 9.2.04

--- --- ---




cúmplices:
{ Site Meter }