segredos secretados
| 01.02.04 |
| 08.02.04 |
| 15.02.04 |
| 22.02.04 |
| 29.02.04 |
| 07.03.04 |
| 14.03.04 |
| 28.03.04 |
| 11.04.04 |
| 18.04.04 |
| 25.04.04 |
| 02.05.04 |
| 09.05.04 |
| 16.05.04 |
| 23.05.04 |
| 30.05.04 |
| 06.06.04 |
| 13.06.04 |
| 27.06.04 |
| 04.07.04 |
| 25.07.04 |
| 12.09.04 |
| 19.09.04 |
| 03.10.04 |
| 07.11.04 |
| 05.12.04 |
| 09.01.05 |
| 27.02.05 |
| 13.03.05 |
| 10.04.05 |
| 17.04.05 |
| 01.05.05 |
| 29.05.05 |
| 03.07.05 |
| 14.08.05 |
| 28.08.05 |
| 18.09.05 |
| 02.10.05 |
| 09.10.05 |
| 16.10.05 |
| 23.10.05 |
| 30.10.05 |
| 06.11.05 |
| 13.11.05 |
| 20.11.05 |
| 27.11.05 |
| 04.12.05 |
| 18.12.05 |
| 25.12.05 |
| 01.01.06 |
| 08.01.06 |
| 15.01.06 |
| 29.01.06 |
| 05.02.06 |
| 12.02.06 |
| 19.02.06 |
| 26.02.06 |
| 05.03.06 |
| 12.03.06 |
| 19.03.06 |
| 26.03.06 |
| 02.04.06 |
| 09.04.06 |
| 16.04.06 |
| 23.04.06 |
| 30.04.06 |
| 07.05.06 |
| 14.05.06 |
| 21.05.06 |
| 28.05.06 |
| 04.06.06 |
| 11.06.06 |
| 18.06.06 |
| 25.06.06 |
| 02.07.06 |
| 09.07.06 |
| 16.07.06 |
| 23.07.06 |
| 30.07.06 |
| 06.08.06 |
| 13.08.06 |
| 20.08.06 |
| 27.08.06 |
| 10.09.06 |
| 17.09.06 |
| 24.09.06 |
| 01.10.06 |
| 08.10.06 |
| 15.10.06 |
| 22.10.06 |
| 29.10.06 |
| 05.11.06 |
| 12.11.06 |
| 19.11.06 |
| 26.11.06 |
| 03.12.06 |
| 10.12.06 |
| 24.12.06 |
| 31.12.06 |
| 07.01.07 |
| 14.01.07 |
| 28.01.07 |
| 04.02.07 |
| 11.02.07 |
| 25.02.07 |
| 04.03.07 |
| 11.03.07 |
| 25.03.07 |
| 01.04.07 |
| 08.04.07 |
| 15.04.07 |
| 22.04.07 |
| 29.04.07 |
| 06.05.07 |
| 13.05.07 |
| 20.05.07 |
| 27.05.07 |
| 03.06.07 |
| 10.06.07 |
| 17.06.07 |
| 24.06.07 |
| 01.07.07 |
| 08.07.07 |
| 15.07.07 |
| 29.07.07 |
| 14.10.07 |

This page is powered by Blogger. 

Isn't yours?

c'mon now
talk about your family
your sister's cursed
your father's old and damned

"silent kit", pavement




Por Thiago F. * 14:46 * 23.6.06

--- --- ---

A idéia

Já faz algum tempo, eu ainda era novo. Estava com insônia. Não conseguia dormir por nada. Rolava na cama há algumas horas. E o que mais me incomodava era o tédio. Não adiantaria muito levantar, não havia nada para fazer. Ninguém com quem conversar. Meus irmãos roncavam no quarto, o que incomodava mais ainda. Então acabei tendo a idéia.

É engraçado que essas idéias surjam nessas horas. Quando não resta mais nada. E elas são tão fortes que, mesmo que houvesse outra coisa pra fazer, qualquer outra coisa, ainda que fosse muito mais importante, eu cederia ao capricho da idéia. E naquele momento foi inescapável. Eu simplesmente tinha que fazer.

Levantei da cama sem me preocupar em fazer muito barulho. Eles dormiam pesado. Já fora do quarto, procurei fazer silêncio. O assoalho de maneira por vezes rangia. Mas pude chegar ao banheiro. Lá, fiquei totalmente nu, como mandava a idéia. Encontrei um espelhinho da minha mãe, desses de retocar maquiagem, que aumentam a imagem do reflexo. Então, por ele, olhei.

Meu cu.

Puta que pariu!, que visão do inferno. Ele estava simplesmente lá, feio, horrível. Não tinha sido fácil encontrá-lo. Ele estava escondidinho na bunda. Com uma mão eu segurei o espelhinho, com a outra fiquei arreganhando a bunda. As pernas bem abertas. Depois de um esforço, consegui vê-lo. Simplesmente lá, feio, horrível. No meio de um monte de pêlos. Meu cu. Me olhando.

Pus de volta meu pijama e voltei para a cama. Nem sei se fiz barulho ou se acordei alguém. Só sei que eu não dormi. Derrotado. Derrotado.


Por Thiago F. * 14:45 * 20.6.06

--- --- ---




cúmplices:
{ Site Meter }